DE TUDO UM POUCO 

MLCB©2011/2021-Maria da Luz Fernandes Barata e Carlos Barata 

Portugal 

©do sítio web detudoumpouco ©dos textos, os seus autores ©das imagens, as instituições e os fotógrafos mencionados 

As marcas de água não implicam obrigatóriamente a autoria ou propriedade do elemento apresentado 

Aquele dia estava um pouco encoberto e na incerteza se iria descobrir-se para todo o mundo mais um pouco, ou se iria manter-se velado.
Por nós tudo bem. A aragem era quente, cheirava a férias, descontracção e ócio.  Resolvemos ir até à esplanada, beber o café da manhã, ler e contemplar a paisagem.
Estavam lá praticamente todos. O Reguila, a Marisa Sandra, o Eagle, o Som do Vento, o Paulo, a Daniela, a Jessyca, a Nessessity, a Tangerina, o Larmar, a Alicia e o Fung Shui. Não estavam muito conversadores; o suficiente para murmurarem palavras de acalmia, enquanto ondulavam ao sabor do movimento das águas, provocado pela brisa quente e doce daquele dia de Primavera, que fazia também sobressair a bandeira da sua nacionalidade. Sim, estou a falar dos barcos ancorados na ria de águas calmas, protegida pelas dunas de areia dourada repleta de flora, não fosse ela, zona protegida. E foi assim com esta paisagem de cortar a respiração, tal a placitude que nos transmite. E não só. Pouco depois não sabendo de onde, surgiram os primeiros acordes musicais, que nos penetraram mais e mais até ficarmos literalmente em transe. Era a música, por sinal muito bem escolhida, do bar cuja esplanada escolhemos durante todos aqueles dias.
Esteve-se bem.
A companhia de todos aqueles amigos dançando para nós ritmos cálidos, sob um sol tímido, mas que lhes projectava a luz necessária para a sua performance.
E lá atrás no horizonte, gaivotas, andorinhas e pardalinhos acompanhavam todo este espectáculo de som e movimento, com a alegria que lhes é peculiar.

ML2009

Remanso