DE TUDO UM POUCO 

MLCB©2011/2021-Maria da Luz Fernandes Barata e Carlos Barata 

Portugal 

©do sítio web detudoumpouco ©dos textos, os seus autores ©das imagens, as instituições e os fotógrafos mencionados 

As marcas de água não implicam obrigatóriamente a autoria ou propriedade do elemento apresentado 

CONTEMPLAÇÃO

Cenário:
Inverno!
Fevereiro!
Carnaval!
Domingo!
13H30!

Ao fundo, o horizonte quase imperceptível, separa o céu do mar. Este, está calmo e pejado de pérolas prateadas; destemido, o sol, qual holofote numa sala de teatro, assim resolveu beijar tudo, com a sua luz e calor.
Mais próximo, o casario branco reflecte a luz, que hoje não nos vai abandonar.
Nos telhados, as gaivotas esperam calmamente, contemplando elas também, o horizonte; quem sabe, esperando algum barco cheio de pescaria fresca e saborosa. Confraternizando com elas, alguns pardalitos partilham os mesmos telhados, protegendo os seus ninhos nos beirais. Numa roda-viva, alimentam os seus filhotes e cantam canções de embalar, que cortam o silêncio existente neste palco.
À beira desse mar tranquilo, o eterno vaivém daqueles para quem passear na orla costeira é um alimento para o espírito e uma forma de exercitar o corpo dando-lhe o movimento de que precisa. Barcos e pescadores descansando da faina da semana.
No balcão, presenciando esta peça sem orquestra humana, mas cheia de notas musicais, apenas uma espectadora, eu.
Provavelmente noutros locais, estarão pessoas tão atentas quanto eu, contemplando e observando tudo o que se passa no palco, que não é mais do que uma pequena parte deste universo infinito e misterioso; mas na mesma perspectiva, com a mesma encenação, com as mesmas sensações, não.
É bom sabermos que embora este tipo de espectáculo esteja em cena para toda a gente, o modo de “ver” é único para cada um. Sente-se uma libertação, uma calma, um prazer, em contemplar toda esta maravilha que não é mais de que um hino à vida. A Natureza que nos rodeia. Quando sentada descontraidamente no terraço, envolta no silêncio entrecortado pelo chilrear das aves, ou pelo marulhar das ondas quando o mar está mais agitado, consigo soltar-me e tudo o que há de belo me rodeia, me enche os sentidos, me preenche os espaços vazios da alegria que deveria estar sempre em mim, porque afinal... estou viva!
Este é o espectáculo a que assisti hoje, e me fez meditar. Não tem fim e todos os dias é diferente.A cada momento, a contemplação quer exterior quer interior, tende a melhorar. A sensatez que se adquire com o passar dos anos e das experiências que se vivem, fazem com que o espírito de observação, se torne mais aguçado, de forma a ver o que realmente interessa: a essência!
A isto chama-se Evolução!
Quando estou em dias menos bons, refugio-me nalgumas destas lembranças...
Descubro então, que estou viva, sou fruto da natureza e o espírito não tem idade.


ML/2001